Água

2 Visualizações

Os holandeses têm uma relação única com a água. Ela é nossa melhor amiga e maior inimiga. A água cria grandes benefícios, como: diversos esportes e eventos aquáticos, paisagens únicas e prosperidade econômica. A desvantagem da água é que precisamos estar sempre alertas e nos proteger contra as enchentes.

Geral

O tamanho total da Holanda é de 41.500 km2, dos quais 7.700 km2 são água. Os três principais rios (o Reno, o Mosa e o Escalda) entram na Holanda e ramificam-se até atingirem por fim o Mar do Norte. Um quarto da Holanda está abaixo do nível do mar. A 6,76 metros abaixo do nível do mar, Nieuwerkerk aan den IJssel é o ponto mais baixo do país.

Esportes e eventos aquáticos

A Holanda é perfeita para férias dedicadas aos esportes aquáticos. As melhores províncias nesse sentido são a Frísia (os Lagos Frísios e as Ilhas Wadden) e a Zelândia. Aqui é possível praticar pesca, vela, parasailing, corrida de barco, kitesurf e windsurf, nado, mergulho, esqui aquático e até caminhada na lama ("wadlopen").

Os eventos aquáticos populares incluem os Dias do Porto Mundial em Rotterdam, HISWA em Amsterdam, campeonatos de skûtsjesilen na Frísia e a Regata do Mar do Norte em Scheveningen. Sail, o maior espetáculo náutico do mundo, é realizado apenas a cada cinco anos, sendo a próxima edição em 2015

Museus e atrações

Com uma única exceção, todos os locais holandeses listados pela Unesco são relacionados à água. Incluindo a primeira terra seca da Holanda, as Ilhas Wadden, as defesas contra a água em torno de Amsterdam, a antiga Ilha de Schokland, a Estação de Bombeamento a Vapor D.F. Wouda, os moinhos de Kinderdijk e os canais de Amsterdam.

Próximo a esses locais da Unesco há vários museus e atrações interessantes. As Obras do Delta em Neeltje Jans, o Museu Marítimo de Rotterdam, o navio De Batavia da Companhia das Índias Orientais, Giethoorn (a Veneza holandesa) e alguns parques nacionais.

Barreiras contra tempestade

Ao longo dos séculos, os holandeses têm travado uma batalha contra a água. Moinhos foram usados para controlar seu nível, e diques foram construídos para manter os holandeses bem secos. Hoje há muitas barreiras contra tempestade, como Afsluitdijk e a Barreira do Europorto, que controlam a água e protegem os holandeses contra enchentes.

As barreiras mais famosas são as Obras do Delta, também chamadas de oitava maravilha do mundo. Essas barreiras protegem a terra ao redor do delta Reno-Mosa-Escalda. As Obras do Delta foram desenvolvidas após um tremendo desastre: as enchentes de 1953. As 20 horas de tempestade, vinda do noroeste, foram demais para os diques da Zelândia. Quase 2.000 pessoas morreram e mais de 150.000 hectares de terra ficaram alagados. Com a construção das Obras do Delta, as chances de outra enchente como a de 1953 foram reduzidas para uma vez a cada 4.000 anos.

Prosperidade

Durante a Era de Ouro (um período no século XVII de prosperidade para os holandeses), a Holanda se transformou em uma grande potência comercial marítima. Os famosos navios da Companhia das Índias Orientais singravam os mares carregando suas mercadorias, de especiarias e tecidos a escravos. Este último, uma página negra na história holandesa.

Com o tempo, a Holanda se tornou um importante país no transporte de contêineres e transporte sobre a água. O porto de Rotterdam se tornou um dos maiores do mundo. O setor pesqueiro também cresceu em importância. O mais importante é que os holandeses são reconhecidos internacionalmente como especialistas na área de controle de águas. Por fim, mas não menos importante, o setor está ligado a inovações no uso sustentável da água e a alternativas arquitetônicas para desenvolvimento urbano sobre a água.