Voyeurismo justificado culturalmente

Marloes Tervoort, Domingo, 20 de Outubro de 2013 , 132 Visualizações

Voyeurismo justificado culturalmente

Os Amsterdammers têm orgulho de "seu" IDFA, que foi fundado em 1988 como tentativa de "estimular a cultura de documentários nacionais e internacionais". Os ingressos de venda antecipada devem ser adquiridos com bastante antecedência, mas por sorte um amigo me enviou uma descrição dos imperdíveis deste ano e tudo que preciso fazer é me inscrever. Meu amigo consegue os ingressos para as maravilhas da programação.

Ler mais

Os Amsterdammers têm orgulho de "seu" IDFA, que foi fundado em 1988 como tentativa de "estimular a cultura de documentários nacionais e internacionais". Os ingressos de venda antecipada devem ser adquiridos com bastante antecedência, mas por sorte um amigo me enviou uma descrição dos imperdíveis deste ano e tudo que preciso fazer é me inscrever. Meu amigo consegue os ingressos para as maravilhas da programação.

A Holanda é uma terra de documentários. Documentaristas como Michiel van Erp oferecem uma visão impressionante e quase vouyerista da cultura holandesa. Van Erp estabeleceu-se com documentários sobre nossa cultura como Pretpark Nederland (Parque de Diversões Holanda) e Welkom in Nederland (Bem-vindo à Holanda). Muitos cineastas holandeses conhecidos como Johan van der Keuken, John Appel e Renzo Martens tornaram-se famosos por meio do IDFA. Também há muito para ser visto por visitantes que não falam holandês, pois grande parte do IDFA é reservada para documentários internacionais.

Por sorte, Amsterdam também possui muitos cinemas artísticos que exibem documentários ao longo do ano. Meus favoritos são Rialto, Kriterion, Studio K e Cinecenter, todos os locais com um visual alternativo que lembra Berlim.

Desde 2012, o IDFA possui um novo local: o EYE Film Institute. Esse belíssimo teatro e museu do cinema é uma meca para os cinéfilos o ano todo. E se estiver com os olhos cansados e desejar sair do escuro, basta reservar uma mesa no restaurante do local que não somente serve ótima comida como também oferece uma fenomenal vista da cidade. Ele é o lugar para refletir sobre as histórias enquanto aprecia o pôr-do-sol e uma boa taça de vinho.

Os Amsterdammers têm orgulho de "seu" IDFA, que foi fundado em 1988 como tentativa de "estimular a cultura de documentários nacionais e internacionais". Os ingressos de venda antecipada devem ser adquiridos com bastante antecedência, mas por sorte um amigo me enviou uma descrição dos imperdíveis deste ano e tudo que preciso fazer é me inscrever. Meu amigo consegue os ingressos para as maravilhas da programação.

A Holanda é uma terra de documentários. Documentaristas como Michiel van Erp oferecem uma visão impressionante e quase vouyerista da cultura holandesa. Van Erp estabeleceu-se com documentários sobre nossa cultura como Pretpark Nederland (Parque de Diversões Holanda) e Welkom in Nederland (Bem-vindo à Holanda). Muitos cineastas holandeses conhecidos como Johan van der Keuken, John Appel e Renzo Martens tornaram-se famosos por meio do IDFA. Também há muito para ser visto por visitantes que não falam holandês, pois grande parte do IDFA é reservada para documentários internacionais.

Por sorte, Amsterdam também possui muitos cinemas artísticos que exibem documentários ao longo do ano. Meus favoritos são Rialto, Kriterion, Studio K e Cinecenter, todos os locais com um visual alternativo que lembra Berlim.

Desde 2012, o IDFA possui um novo local: o EYE Film Institute. Esse belíssimo teatro e museu do cinema é uma meca para os cinéfilos o ano todo. E se estiver com os olhos cansados e desejar sair do escuro, basta reservar uma mesa no restaurante do local que não somente serve ótima comida como também oferece uma fenomenal vista da cidade. Ele é o lugar para refletir sobre as histórias enquanto aprecia o pôr-do-sol e uma boa taça de vinho.

Descubra o que há por perto
Voyeurismo justificado culturalmente